É curioso o desplante e desfaçatez com que a classe politica trata os assuntos de estado. Demonstrando um total desrespeito pelos eleitores que os elegeram para servirem o país

.posts recentes

. Uma desparasitação delici...

. Oh Pedrinho, é feio andar...

. É curioso a frase.

. Para que serve um Ministr...

. Qual é imagem de marca de...

. Mário Viegas Manifesto An...

. O pior presidente de semp...

. Vale a pena ir votar?

. Um presidente um governo.

. O fulano Decidiu que não ...

. Porque se fazem eleições ...

. Porque incomoda a tanta g...

. Pergunta do dia

. Anda por ai uma direita d...

. Olha como está irritada

. Andam todos por ai assust...

. Afinal o ps não aprendeu ...

. Que democracia é esta

. Diz o povo na sua sabedor...

. Existe gente com uma pret...

. “Ajudemos o presidente a ...

. O governo não sabia da li...

. Tiques de ditador.

. Porque razão apresentou a...

. O homem ainda não morreu ...

. Ulrich: "Troika mandou-me...

. Tanto ruido.

. 'Swissleaks' e a xariá

. O EMIGRANTE

. Quando se entra em campan...

. O alarve

. É um conto de crianças.

. Quando os valores morais ...

. Os nossos amigos de turba...

. 10 minutos da vida dum tr...

. Uma ideia, um terrorismo....

. O Mário e gafes

. Mais uma aventura que vai...

. O ambiente cheira mal

. Quando a saúde não tem me...

. Ilhas selvagens portugues...

. Estou farto dos que dizem...

. Quantos pobres recebem “9...

. Grande golpe publicitário...

. Muito se tem falado e esc...

. Visita Guiada ao Museu Mi...

. Como lida a polícia no br...

. A TAP, e os palermas

. BEM-HAJA, Senhor Almirant...

. São noticias deste calibr...

.tags

. “É para inglês ver”; insustentável; list

. “falta de carácter”

. “OBVIAMENTE

. "a voz do dono"

. "Não tenho andado por aqui"

. "o baqueiro do regime"

. "O insólito acontece "

. "reduzir salários"

. 10.8%;erro;grave;desemprego

. 14%; desemprego

. 150 bombeiros

. 150.000 entalhes.

. 25 abril

. 27º

. 4 Milhões

. «por que no te callas»

. a aldeia dos trafulhas.

. a arte de bem mentir.

. a culpa morre solteira

. a força

. a gamar é que esta o ganho

. A ministra? E os exames…

. a primeira baixa colateral

. a velha

. abertura

. acabou

. acepipe

. agentes políticos

. agressões

. aguenta

. ai

. ajuda

. al-zarqawi

. alcachofra

. alcatrão

. alemao

. alguem diferente

. alimentar

. almeida ao poder.

. amnistia

. amo-te

. ana politkovskaia

. anjos caídos

. aprender

. armadilha mortal

. arquivamento

. arredondamento; banco; roubo; arrogante

. Arriba Fóssil

. asneira; nuclear; falências; electricida

. asno

. asnos; governam

. assalto; banco

. assaltos

. assaltos violentos

. assistência

. avô cantigas

. azar; vai-te satanás

. balbúrdia

. baldas

. bancarrota; guerra-civíl

. bancos; depositos

. bancos; lucros

. bandeira

. bando de bestas

. banha da cobra

. bárbaros; império; reformas

. bes

. besta; muro

. bestas

. bestiais

. bicha popular

. bilderberg; foleiro

. bisonte;

. bloco central

. BMW; sumptuárias; encantar; défice

. bobo

. brasil

. briosa de luto

. bronco; sporting

. Buracos negros; pensões douradas; vidas

. burlesco; revolta; fora-da-lei

. burro

. burros e jumentos.

. c.g.d.

. cacto

. cada cavadela

. corrupção

. corruptos

. demagogia

. economia da ruína

. estupidez

. grécia

. incompetente

. militares

. oportunismo

. pedofilia

. ridículo

. roubo

. socialismo

. sons of anarchy

. todas as tags

.arquivos

. Novembro 2017

. Junho 2017

. Outubro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

Sábado, 2 de Julho de 2005

RETRATO DA SEMANA por ANTÓNIO BARRETO

Incompetentes ou mentirosos. Não há volta a dar. Se José Sócrates e os seus amigos, que se dizem "chocados" com o que descobriram, não sabiam o estado em que se encontravam a economia e as finanças do país; não suspeitavam do défice real do Estado; não conheciam os compromissos assumidos pelos governos anteriores; não tinham feito as contas a partir dos inúmeros dados públicos do Banco de Portugal e do Instituto Nacional de Estatística; nem tinham lido a vasta literatura em jornais e revistas publicados ao longo destes anos; então, são simplesmente incompetentes. Isto é, não souberam desempenhar as suas funções de oposição. Não foram capazes de obrigar os governos a tornar públicos os elementos que possuíam; não conseguiram utilizar os meios legais que tinha à disposição para forçar as instituições a fornecer-lhes a informação indispensável; não levaram a sério o trabalho de deputados, para o que foram razoavelmente bem pagos durante uns anos; não lhes ocorreu fazer breves contas de somar, com todas as parcelas que, de uma ou de outra maneira, iam sendo reveladas; não consultaram as bases de dados do EUROSTAT; e não leram os boletins do Banco de Portugal, nem os relatórios da UE e da OCDE, assim como não perceberam os trabalhos de previsão das instituições especializadas, nem sequer leram ou compreenderam os relatórios da Economist Intelligence Unit. Mais: não quantificaram as suas propostas eleitorais, não estudaram as implicações dos seus projectos, nem calcularam os custos das promessas que fizeram. Pior ainda, não leram o orçamento para 2005 preparado pelo anterior governo e, se o leram, não perceberam. Em conclusão, não cumpriram os seus deveres, não fizeram os trabalhos de casa. Nem sequer leram os trabalhos que Medina Carreira publica há anos nos jornais, nem ouviram o que Silva Lopes lhes diz regularmente. São, simplesmente, incompetentes.

Mas existe outra hipótese. São inteligentes. Cumprem os seus deveres. Seguiram com atenção a evolução económica e financeira do país. Desempenharam dignamente as suas funções de oposição. Perceberam as manhas e as deficiências do governo anterior. Conheciam as dificuldades em que o país se encontrava. Suspeitavam da dimensão efectiva do défice. Estudaram. Leram tudo o que havia para ler. Fizeram contas. Sabiam que os primeiros anos seriam difíceis. Sabiam que, poucas semanas depois de iniciarem funções, teriam de aumentar o IVA, o IRS, os tabacos e os combustíveis, como seriam obrigados a congelar o emprego e as promoções na função pública. Tinham a certeza de que tomariam medidas para aumentar a idade da reforma e reduzir a indemnização paga pelas baixas de saúde. Não tinham dúvidas de que, mais dia, menos dia, teriam de aumentar as portagens e acabar com a fantasia das SCUTS, o que talvez só fosse conveniente depois das autárquicas. Sabiam isso tudo e mais ainda relativamente às reformas e pensões, aos vencimentos da Administração e às contrapartidas do Estado para a Saúde e a educação. Só que... ninguém conquista a maioria e o poder com promessas desse tipo. Para lá chegar, seria necessário o contrário, mostrar que tudo era possível, que os impostos não aumentariam, que se deveria apostar no investimento e no crescimento, que havia recursos para melhorar a protecção social e para alargar os benefícios da educação. Depois, logo se veria. Mostrariam que nada sabiam, que o défice tinha sido escondido pelo governo anterior, que os relatórios internacionais nada tinham previsto. Se foi esta a escolha, são mentirosos.

Os danos causados na população e na reputação da política são, por anos, irrecuperáveis. A discussão sobre a origem do défice, as suas causas e os seus responsáveis, tem uma só consequência: ninguém acredita "neles". "Eles", os partidos. "Eles", os primeiros-ministros e os ministros das Finanças. Os próprios aficionados, despachados para as televisões para "explicar" ou "criticar", mostram total falta de convicção e um indesmentível desconforto. Culpam-se descaradamente uns aos outros. Acusam-se dos piores malefícios. Mostram o pior de si próprios. A fuga de Guterres e a enormidade dos compromissos por si assumidos criaram uma semente de descrédito. O abandono de Barroso, após um exercício de mentira e encenação parecido com o de Sócrates, esteve na origem de uma nova fonte de desconfiança. O despautério de Santana, que garantiu que as dificuldades estavam acabadas, abriu as portas ao desprezo pelos políticos. A actual ficção de Sócrates, apesar de melhor encenada, confirma a tendência exibida nestes últimos anos: a política portuguesa parece-se cada vez mais com uma actividade delinquente.
Apesar de firme adversário do federalismo e da Constituição europeia, sempre fui favorável ao euro e à sua adopção pelo Estado português. Esperava que a adopção da moeda única ajudaria a pôr na ordem os nossos políticos, lhes diminuiria a irresponsabilidade e reduziria a demagogia caseira. Entre outras vantagens, impediria os nossos líderes de continuar a usar as taxas de juro e de câmbio como instrumentos de disfarce das suas políticas. Até hoje, os resultados foram, em parte, positivos. Com efeito, os juros estão baixos e nunca mais a desvalorização veio castigar os cidadãos que vivem do trabalho. Todavia, o euro, por si só, não basta. Contra a demagogia e a irresponsabilidade, outros dispositivos são necessários. Na verdade, é preciso encontrar quem, sem matar a liberdade, meta na ordem os políticos nacionais. Nos tempos que correm, só vejo um meio: a Europa.

Venha a Europa! Chame-se a União! Solicite-se às agências de fiscalização do défice um exame das contas portuguesas. Abra-se um inquérito à delapidação dos dinheiros públicos, à falta de rigor e à demagogia. Instaure-se imediatamente um processo contra o Estado português por abuso e desperdício de recursos públicos. Faça-se com que os tribunais e o Banco Central Europeu executem prontamente o conjunto de sanções previstas, a começar pelas multas e a acabar na suspensão de fundos de coesão. Peça-se à União que lance um embargo sobre fundos em curso de utilização, suspendendo novos pagamentos até que se vejam sinais inequívocos de que Portugal está a entrar no bom caminho. Mostre-se às agências de rating toda a verdade, a fim de que Portugal pague mais caro pelas suas loucuras. Os portugueses só mudarão de costumes se forem postos perante o inevitável e a necessidade. E os políticos só aprenderão se forem castigados, se lhes retirarem os recursos para a sua demagogia e se passarem pela vergonha pública de serem designados como mentirosos e incompetentes. Por vontade própria, não o farão. Já os conhecemos.
publicado por carlocos às 10:36
link do post | Arrifem comentários | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.links

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds