É curioso o desplante e desfaçatez com que a classe politica trata os assuntos de estado. Demonstrando um total desrespeito pelos eleitores que os elegeram para servirem o país

.UTILIDADES


ARTE
Aguarelas de Turner
Elfwood
Fantasy art
Boris Vallejo
Gorodin
Imagenetion
Luis Royo
Soanala
Tendreams
Zindy

ROTEIROS e MAPAS
Atlas local
Autour du Monde
Rotas e Viagens
Maporama.com
Mapas.clix
Mapa Michelin
Planta lisboa

AMBIENTE
Fauna Ibérica
Quercus
Geota
Portal Ambiente Online

COISAS INTERESSANTES
"> Dicas
Portal Europeu da Mobilidade
Expresso Emprego
Lado Negro da WEB
O Império Romano
Revelar Lisboa
Portal da história
Covers
Clube internet
Terramoto 1755
Lyrics
Museu das mentiras
Todays front pages
Realidade oculta
Vatican the Holy See

METEOROLOGIA
Geocid
Instituto de Meteorologia
Previsão do Estado do Tempo
Weather.co.uk

RECEITAS de CULINÁRIA
Culinarias.NET
Gastronomia de Portugal
Gastronomia Tradicional Portuguesa
Petiscos
Receitas de Culinária Online
Receitas e menus
Receitas macrobiótica
Receitas, Refeições e Comida É aqui!
Serviço Português de Gastronomia e Hotelaria

INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA
Atlas Geográfico
Centro de Estudos Geográficos
Earth google
Guia Geográfico
Instituto Geo do Exército
Instituto Geo Português

INVESTIGAÇÃO ESPACIAL
Agencia espacial europeia
SPACE.com
Portal do astrónomo

TEMPLATES
^.^ COYSITAS II ^.^
Mudar o template
Templates by Maximus
Portal By Marina

WALLPAPER
Dave's Scenic Nature
Deviantart
Desktopia
Digital Blasphemy
PCparadise
SPACE
Webshots

CASAS ENGRAÇADAS
Cavalheiros do Apocalipse Diz Que Disse
Esta barra é azul!
Estranho mas verdade
O coiso
Frente de Libertação Caramela
História em Disparates
Macacos sem galho
O Bobo
O MANGALHO ANTÍ-STRESS
vitominas

MOTORES DE BUSCA
Clix
Descobre
Google
Guia gratis
Iol
O leme
O Mocho
Sapo
Tendencia.cc

ENCICLOPÉDIAS E DICIONÁRIOS
Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
corrector On-line
Dicionários
Tradutor
Wikipedia

JORNAIS DE PORTUGAL
Agencia financeira
Correio da Manhã
Diário digital
Diário económico
Diario de notícias
Expresso
Lusa
Jornal digital
Jornal de negócios
Jornal de notícias
Jornalismo & Comunicação
Mundo.pt
Sol
Publico
O 1º de Janeiro
Semanário

REVISTAS
Nova Vaga
Visão
Finisterra
National Geographic
Atlântico
Sabado

TV
TVI

Rádio

Telefonia do Alentejo
RR

JORNAIS REGIONAIS
ALGARVE

Jornal do Algarve
Jornal do sotavento
Região sul

ALTO ALENTEJO
Diário do Alentejo

BAIXO ALENTEJO
Moura digital

BEIRA ALTA
Diário regional Viseu
Nova Guarda

BEIRA BAIXA
Jornal do fundão
Reconquista
Gazeta do interior

BEIRA LITORAL
As Beiras
Diário de Coimbra
Diário de Aveiro
Diário de Leiria

DOURO LITORAL
Imediato

ESTREMADURA
Jornal da praceta
Região de Setubal
Voz do campo
O Setubalense

MINHO
Diário do Minho
Antena Minho-106.0 FM

RIBATEJO
O Mirante
O Ribatejo
Vida Ribatejana

TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO
Mensageiro de Bragança
Voz do nordeste

AÇORES
Azores.gov
Azores digital
Açoriano Oriental
A união

MADEIRA
Madeira.gov
DN da Madeira
Jornal da Madeira

COMUNIDADES PORTUGUESAS
Lusoamericano
Gazeta Lusófona
Jornal Portugal Ilustrado
Mundo-Luso
Portuguese times
Sol Português

ESTRANJA
ANGOLA
Angola Press

ARGENTINA
Clarin Digital
Pagina12

BRASIL
Correio da Bahia
Diario do Nordeste
Globo
News yahoo
Midia sem mascara
Gazeta online

CHILE
El Mercurio
El diario

ESPANHA
El País
El Mundo
abc
Andalucia
El Periodico
Minuto Digital

FRANÇA
Le Monde
Le Figaro

INGLESES
Guardian
The Herald
Financial Times

ITALIANOS
Corriere della Sera
La Repubblica

PORTO RICO
El Nuevo Día

USA
The New York Times
The Washington Post

Islão
Webislam

.posts recentes

. Oh Pedrinho, é feio andar...

. É curioso a frase.

. Para que serve um Ministr...

. Qual é imagem de marca de...

. Mário Viegas Manifesto An...

. O pior presidente de semp...

. Vale a pena ir votar?

. Um presidente um governo.

. O fulano Decidiu que não ...

. Porque se fazem eleições ...

. Porque incomoda a tanta g...

. Pergunta do dia

. Anda por ai uma direita d...

. Olha como está irritada

. Andam todos por ai assust...

. Afinal o ps não aprendeu ...

. Que democracia é esta

. Diz o povo na sua sabedor...

. Existe gente com uma pret...

. “Ajudemos o presidente a ...

. O governo não sabia da li...

. Tiques de ditador.

. Porque razão apresentou a...

. O homem ainda não morreu ...

. Ulrich: "Troika mandou-me...

. Tanto ruido.

. 'Swissleaks' e a xariá

. O EMIGRANTE

. Quando se entra em campan...

. O alarve

. É um conto de crianças.

. Quando os valores morais ...

. Os nossos amigos de turba...

. 10 minutos da vida dum tr...

. Uma ideia, um terrorismo....

. O Mário e gafes

. Mais uma aventura que vai...

. O ambiente cheira mal

. Quando a saúde não tem me...

. Ilhas selvagens portugues...

. Estou farto dos que dizem...

. Quantos pobres recebem “9...

. Grande golpe publicitário...

. Muito se tem falado e esc...

. Visita Guiada ao Museu Mi...

. Como lida a polícia no br...

. A TAP, e os palermas

. BEM-HAJA, Senhor Almirant...

. São noticias deste calibr...

. Não podia estar mais de a...

.tags

. “É para inglês ver”; insustentável; list

. “falta de carácter”

. “OBVIAMENTE

. "a voz do dono"

. "Não tenho andado por aqui"

. "o baqueiro do regime"

. "O insólito acontece "

. "reduzir salários"

. 10.8%;erro;grave;desemprego

. 14%; desemprego

. 150 bombeiros

. 150.000 entalhes.

. 25 abril

. 27º

. 4 Milhões

. «por que no te callas»

. a aldeia dos trafulhas.

. a arte de bem mentir.

. a culpa morre solteira

. a força

. a gamar é que esta o ganho

. A ministra? E os exames…

. a primeira baixa colateral

. a velha

. abertura

. acabou

. acepipe

. agentes políticos

. agressões

. aguenta

. ai

. ajuda

. al-zarqawi

. alcachofra

. alcatrão

. alemao

. alguem diferente

. alimentar

. almeida ao poder.

. amnistia

. amo-te

. ana politkovskaia

. anjos caídos

. aprender

. armadilha mortal

. arquivamento

. arredondamento; banco; roubo; arrogante

. Arriba Fóssil

. asneira; nuclear; falências; electricida

. asno

. asnos; governam

. assalto; banco

. assaltos

. assaltos violentos

. assistência

. avô cantigas

. azar; vai-te satanás

. balbúrdia

. baldas

. bancarrota; guerra-civíl

. bancos; depositos

. bancos; lucros

. bandeira

. bando de bestas

. banha da cobra

. bárbaros; império; reformas

. bes

. besta; muro

. bestas

. bestiais

. bicha popular

. bilderberg; foleiro

. bisonte;

. bloco central

. BMW; sumptuárias; encantar; défice

. bobo

. brasil

. briosa de luto

. bronco; sporting

. Buracos negros; pensões douradas; vidas

. burlesco; revolta; fora-da-lei

. burro

. burros e jumentos.

. c.g.d.

. cacto

. cada cavadela

. corrupção

. corruptos

. demagogia

. economia da ruína

. estupidez

. grécia

. incompetente

. militares

. oportunismo

. pedofilia

. ridículo

. roubo

. socialismo

. sons of anarchy

. todas as tags

.arquivos

. Junho 2017

. Outubro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

.Contadores

Sábado, 2 de Julho de 2005

RETRATO DA SEMANA por ANTÓNIO BARRETO

Incompetentes ou mentirosos. Não há volta a dar. Se José Sócrates e os seus amigos, que se dizem "chocados" com o que descobriram, não sabiam o estado em que se encontravam a economia e as finanças do país; não suspeitavam do défice real do Estado; não conheciam os compromissos assumidos pelos governos anteriores; não tinham feito as contas a partir dos inúmeros dados públicos do Banco de Portugal e do Instituto Nacional de Estatística; nem tinham lido a vasta literatura em jornais e revistas publicados ao longo destes anos; então, são simplesmente incompetentes. Isto é, não souberam desempenhar as suas funções de oposição. Não foram capazes de obrigar os governos a tornar públicos os elementos que possuíam; não conseguiram utilizar os meios legais que tinha à disposição para forçar as instituições a fornecer-lhes a informação indispensável; não levaram a sério o trabalho de deputados, para o que foram razoavelmente bem pagos durante uns anos; não lhes ocorreu fazer breves contas de somar, com todas as parcelas que, de uma ou de outra maneira, iam sendo reveladas; não consultaram as bases de dados do EUROSTAT; e não leram os boletins do Banco de Portugal, nem os relatórios da UE e da OCDE, assim como não perceberam os trabalhos de previsão das instituições especializadas, nem sequer leram ou compreenderam os relatórios da Economist Intelligence Unit. Mais: não quantificaram as suas propostas eleitorais, não estudaram as implicações dos seus projectos, nem calcularam os custos das promessas que fizeram. Pior ainda, não leram o orçamento para 2005 preparado pelo anterior governo e, se o leram, não perceberam. Em conclusão, não cumpriram os seus deveres, não fizeram os trabalhos de casa. Nem sequer leram os trabalhos que Medina Carreira publica há anos nos jornais, nem ouviram o que Silva Lopes lhes diz regularmente. São, simplesmente, incompetentes.

Mas existe outra hipótese. São inteligentes. Cumprem os seus deveres. Seguiram com atenção a evolução económica e financeira do país. Desempenharam dignamente as suas funções de oposição. Perceberam as manhas e as deficiências do governo anterior. Conheciam as dificuldades em que o país se encontrava. Suspeitavam da dimensão efectiva do défice. Estudaram. Leram tudo o que havia para ler. Fizeram contas. Sabiam que os primeiros anos seriam difíceis. Sabiam que, poucas semanas depois de iniciarem funções, teriam de aumentar o IVA, o IRS, os tabacos e os combustíveis, como seriam obrigados a congelar o emprego e as promoções na função pública. Tinham a certeza de que tomariam medidas para aumentar a idade da reforma e reduzir a indemnização paga pelas baixas de saúde. Não tinham dúvidas de que, mais dia, menos dia, teriam de aumentar as portagens e acabar com a fantasia das SCUTS, o que talvez só fosse conveniente depois das autárquicas. Sabiam isso tudo e mais ainda relativamente às reformas e pensões, aos vencimentos da Administração e às contrapartidas do Estado para a Saúde e a educação. Só que... ninguém conquista a maioria e o poder com promessas desse tipo. Para lá chegar, seria necessário o contrário, mostrar que tudo era possível, que os impostos não aumentariam, que se deveria apostar no investimento e no crescimento, que havia recursos para melhorar a protecção social e para alargar os benefícios da educação. Depois, logo se veria. Mostrariam que nada sabiam, que o défice tinha sido escondido pelo governo anterior, que os relatórios internacionais nada tinham previsto. Se foi esta a escolha, são mentirosos.

Os danos causados na população e na reputação da política são, por anos, irrecuperáveis. A discussão sobre a origem do défice, as suas causas e os seus responsáveis, tem uma só consequência: ninguém acredita "neles". "Eles", os partidos. "Eles", os primeiros-ministros e os ministros das Finanças. Os próprios aficionados, despachados para as televisões para "explicar" ou "criticar", mostram total falta de convicção e um indesmentível desconforto. Culpam-se descaradamente uns aos outros. Acusam-se dos piores malefícios. Mostram o pior de si próprios. A fuga de Guterres e a enormidade dos compromissos por si assumidos criaram uma semente de descrédito. O abandono de Barroso, após um exercício de mentira e encenação parecido com o de Sócrates, esteve na origem de uma nova fonte de desconfiança. O despautério de Santana, que garantiu que as dificuldades estavam acabadas, abriu as portas ao desprezo pelos políticos. A actual ficção de Sócrates, apesar de melhor encenada, confirma a tendência exibida nestes últimos anos: a política portuguesa parece-se cada vez mais com uma actividade delinquente.
Apesar de firme adversário do federalismo e da Constituição europeia, sempre fui favorável ao euro e à sua adopção pelo Estado português. Esperava que a adopção da moeda única ajudaria a pôr na ordem os nossos políticos, lhes diminuiria a irresponsabilidade e reduziria a demagogia caseira. Entre outras vantagens, impediria os nossos líderes de continuar a usar as taxas de juro e de câmbio como instrumentos de disfarce das suas políticas. Até hoje, os resultados foram, em parte, positivos. Com efeito, os juros estão baixos e nunca mais a desvalorização veio castigar os cidadãos que vivem do trabalho. Todavia, o euro, por si só, não basta. Contra a demagogia e a irresponsabilidade, outros dispositivos são necessários. Na verdade, é preciso encontrar quem, sem matar a liberdade, meta na ordem os políticos nacionais. Nos tempos que correm, só vejo um meio: a Europa.

Venha a Europa! Chame-se a União! Solicite-se às agências de fiscalização do défice um exame das contas portuguesas. Abra-se um inquérito à delapidação dos dinheiros públicos, à falta de rigor e à demagogia. Instaure-se imediatamente um processo contra o Estado português por abuso e desperdício de recursos públicos. Faça-se com que os tribunais e o Banco Central Europeu executem prontamente o conjunto de sanções previstas, a começar pelas multas e a acabar na suspensão de fundos de coesão. Peça-se à União que lance um embargo sobre fundos em curso de utilização, suspendendo novos pagamentos até que se vejam sinais inequívocos de que Portugal está a entrar no bom caminho. Mostre-se às agências de rating toda a verdade, a fim de que Portugal pague mais caro pelas suas loucuras. Os portugueses só mudarão de costumes se forem postos perante o inevitável e a necessidade. E os políticos só aprenderão se forem castigados, se lhes retirarem os recursos para a sua demagogia e se passarem pela vergonha pública de serem designados como mentirosos e incompetentes. Por vontade própria, não o farão. Já os conhecemos.
publicado por carlocos às 10:36
link do post | Arrifem comentários | favorito
|

referer referrer referers referrers http_referer

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.links

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds